Brasil é ‘superpotência, agora com petróleo’, diz Economist

BBC BRASIL – A revista semanal britânica The Economist afirmou em artigo publicado nesta quinta-feira que o Brasil é uma “superpotência econômica” e que possivelmente o país pode virar uma potência de petróleo.

No editorial intitulado Uma superpotência econômica, e agora com petróleo também, a revista afirma que “há motivos para se acreditar que a potência econômica da América do Sul de 190 milhões de habitantes está começando a fazer a diferença no mundo”.

A revista diz que a comparação do crescimento do Brasil com a forte expansão chinesa é “enganosa”, já que a China é um país mais pobre. “É muito mais difícil para um país de média renda, como o Brasil, crescer neste ritmo”, diz a revista.

Além do editorial, o Brasil também é destaque em outros dois artigos da edição desta semana da revista.

No texto Os prazeres do tédio, a revista diz que o Brasil cuidou dos três maiores problemas que causaram a crise dos anos 1980: inflação, dívida e democracia.

Já no artigo intitulado Mais recompensa, a revista diz que as informações de que o Brasil teria descoberto mais petróleo devem gerar grande alegria no governo. No entanto, a revista alerta que a possível “receita extra (do petróleo) pode acentuar ainda mais as fraquezas da economia brasileira – que inclui um real forte e um setor público superestimado”.

Geração de empregos bate recorde no 1º trimestre

Arnaldo Galvão

Valor online – A criação de mais de 554 mil empregos sob o regime da CLT, no primeiro trimestre, é recorde da série histórica medida pelo governo desde 1992. Na comparação com o que ocorreu nos primeiros três meses do ano passado, o crescimento foi de 38,7%. As mais de 206 mil vagas geradas em março também representam a maior marca para o período. Esse resultado mensal é 41,3% maior que o de março de 2007.

O ministro do Trabalho, Carlos Lupi, manteve a previsão de acréscimo de mais de 1,8 milhão de postos neste ano, batendo o recorde de 1,6 milhão em 2007. Apesar do otimismo, aproveitou a divulgação das informações de março do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) para criticar a elevação da taxa de juros pelo BC. “Foi um erro. A decisão foi precipitada.” Se continuar a escalada dos juros, sua previsão é a de impacto no emprego apenas no final do ano.

No primeiro trimestre, o setor que mais criou empregos foi o de serviços, com 212 mil vagas, o que significa crescimento de 27,5% sobre igual período no ano passado. Em segundo lugar vem a indústria, com geração de mais de 146 mil postos de trabalho, resultado 32,4% maior que o dos três primeiros meses de 2007. Na construção civil, as quase 100 mil vagas criadas de janeiro a março representam quase o triplo do mesmo período no ano passado. A agricultura gerou quase 49 mil empregos nesses três primeiros meses de 2008, marca 3,6% inferior à do primeiro trimestre de 2007.

Nas 146.246 vagas criadas na indústria durante o primeiro trimestre, o segmento de alimentos e bebidas foi o que mais contratou (25.982). Em seguida, vem o metalúrgico, com 23.016 vagas novas. Em terceiro lugar, está o mecânico, com geração de 21.890 postos de trabalho. No patamar das 13 mil contratações estão três segmentos: têxtil/vestuário, calçados e material de transporte.

A análise regional dos números do Caged nos primeiro trimestre aponta perda de 36.365 empregos formais no Nordeste. Segundo Lupi, esse desempenho é marcado pela cultura da cana que, tradicionalmente, está em baixa nessa época. A maior criação de empregos foi na região Sudeste, com saldo de 365.244 postos de trabalho entre contratações e demissões.

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: